2º Congresso Latino Americano – “La Guitarra del 1800”

Na próxima semana de 19-24 de Outubro, terei o prazer de participar no II Congresso Latinoamericano “La Guitarra del 1800”, organizado pela Asociación Argentina de Laúdes y Guitarras Antiguas. Com a participação de boa gente da Argentina (Gabriel Schebor, Silvia Fernandez , e Marcos Pablo Dalmacio), México (Gilberto Ramírez Lucero e Luis Diaz Santana), Brasil (Max Riccio e Guilherme de Camargo), Colômbia/Chile (Andres Zapico Maldonado), Inglaterra/Brasil (Fabricio Mattos). Irei falar de um obscuro compositor e virtuoso guitarrista austríaco, Leonard Schulz. Terá lugar no próximo dia 20 de Outubro, pelas 20h (Portugal) e 16h em Buenos Aires. Um recital será também estreado no dia 21 no canal de Youtube da AALGA e divulgado a seu tempo por aqui. A inscrição é gratuita e poderá ser feita no link abaixo.

http://tiny.cc/InscripcionIICongreso

L’indispensable op. 40 (1840)
Eduard e Leonard Schulz (ca.1827)

Leonard Schulz – L’indispensable op.40

Leonard Schulz (Viena, 1813 – Londres, 1860) é uma figura esquecida e obscura do mundo guitarrístico. Nascido no seio de uma família de músicos, foi um menino-prodígio que, juntamente com o seu pai e irmão, viajou pela Europa em digressão. A fama de virtuoso que obteve em vida como guitarrista, parece não ter sido suficiente para evitar o quase esquecimento da sua obra, fruto da sua vida atribulada, numa época em que o instrumento sofria já de um declínio na popularidade.

L’indispensable op.40, é uma interessante série de exercícios e estudos, publicada em Londres em 1840.

 

Escolhi Schulz e seu op.40 como tema de uma dissertação de mestrado há alguns anos e que vou revisitando com frequência. Os estudos têm propósitos técnicos muito específicos, e são reveladores de uma técnica evoluída, mas nem sempre ortodoxa pelo olhar contemporâneo.

Deixo aqui uma selecção em playlist (1,2,3,4 e 8). Os restantes, em breve...

Rui Namora, guitarra de 8 cordas construída por Jan Tuláček, réplica de J.A. Stauffer (1837)

Fernando Sor – Andante largo op.5 nº5

Uma das peças mais conhecidas de Fernando Sor (Barcelona, 1778 – Paris, 1838) é o seu Andante largo. Incluído nas suas Six Petites Pièces très faciles pour la guitare, op.5. Permitam-me discordar do Señor Sor em relação ao subtítulo très faciles…

Tocada numa guitarra romântica francesa (Jean Français, Lille, 1828)

Partitura – Andante Largo, F.Sor

Nikolai Alexandrov – Coração (romance russo)

Continuando a descobrir a beleza escondida do riquíssimo repertório da guitarra russa de sete cordas, eis um pequeno romance de Nikolai Ivanovich Alexandrov/Николай Иванович Александров (1818-1885) (1884 no calendário juliano).
Extraído do seu Álbum de Romances Russos, “Coração” (сердце)

Partitura

Anton Diabelli – Andante Sostenuto

Anton Diabelli (1776-1858) foi uma figura central no panorama musical vienense na primeira metade do século XIX. Guitarrista, pianista, compositor e sobretudo um influente editor, ficou conhecido como sendo o autor do tema das Variações op. 120 de Beethoven, ou as célebres Variações Diabelli.

Entre a sua produção para guitarra (obras didácticas, variações, prelúdios, música de câmara), compôs três sonatas, op.29. A terceira, na tonalidade pouco usual de Fá maior, tem como andamento central um Adagio sostenuto, influenciado pela tradição haydniana, à semelhança dos seus contemporâneos Matiegka ou Giuliani.

Guitarra romântica (Pierre Marcard, Mirecourt, circa 1830)

 

Anton Diabelli – Andante sostenuto (Sonata op.29 nº3)

 

 

Victor Magnien – Andante op.17 nº1

Victor Magnien (Épinal, 1822 – Lille1885) – Andante op.17 nº1, dos “Six Andantes op.17 pour la Guitare” dedicados ao seu aluno Louis Kastner

Victor Magnien, nascido na região francesa de Vosges, foi guitarrista e violinista. Aluno de Carulli e Kreutzer, compôs solo e música de câmara para guitarra, concertos para violino, peças para piano, órgão e musica litúrgica
. Professor respeitado, Magnien publicou um tratado de Teoria Musical para ser usado pelo Sistema de Educação Imperial. Em 1846, foi nomeado director do Conservatório Imperial de Música em Lille.

Rui Namora – guitarra romântica de 8 cordas (Jan Tuláček), réplica de J.A. Stauffer (1837)

Marco Aurelio Zani de Ferranti – Exercice op.50 n°10

Marco Aurelio Zani de Ferranti (Bologna, 1801 – Pisa, 1878)
Exercice n° 10, dos 44 Exercices op.50

Publicado por Carli, Paris ca.1828

Rui Namora – Guitarra Romântica de 8 cordas (Jan Tuláček), réplica de J.A. Stauffer (1837)

Leonard Schulz – Étude WoO nº2

Leonard Schlulz (Viena, 1813- Londres,1860) – Étude WoO nº 2 (Moderato)

Rui Namora – Guitarra Romântica de 8 cordas (Jan Tuláček), réplica de J.A. Stauffer (1837)

Franz Schubert – Lob der Tränen

Franz Schubert (1797-1828) – Lob der Tränen D. 711

Arranjo de Johann Kaspar Mertz (1806-1856) – 6 Schubert’sche Lieder, publicada rm Viena por Tobias Haslinger ca.1845.

Rui Namora – guitarra romântica de 8 cordas (Jan Tuláček), réplica J.A. Stauffer (1837)

Leonard Schulz – Étude WoO nº4

Leonard Schlulz (Viena, 1813- Londres,1860) – Étude WoO nº4 (Andante con molto espressione)

Rui Namora –  Guitarra Romântica de 8 cordas (Jan Tuláček), réplica de J.A. Stauffer (1837)


  • “Sem a música, a vida seria um erro” – Nietzche