Notas

Johann Sebastian Bach

Durante os anos em que Bach exerceu o cargo de mestre de capela na corte de Köthen (1717-1723), compôs maioritariamente música instrumental. São deste período as Suites para violoncelo, as Sonatas e Partitas para violino, as Suites Inglesas e Suites Francesas para cravo, os Concertos de Bradenburgo e o primeiro livro do Cravo bem Temperado. A Suite BWV 1006a, escrita originalmente para violino (Partita III, BWV 1006), foi adaptada por Bach ao alaúde (ou a um instrumento de tecla chamado Lautenclavicymbel), não sendo um caso isolado na obra do compositor. É composta por um Prelúdio e cinco danças estilizadas. O Prelúdio, Fuga e Allegro BWV 998, é uma obra com um enorme potencial de simbolismo teológico, relacionado com a Santíssima Trindade, apesar de ser uma obra secular. Uma Fuga da Capo no centro de uma obra tripartida, e  o seu motivo relacionado com um hino Luterano, são uma prova da fé e o do talento de Bach em esconder significados na sua música. Tendo em conta a totalidade da sua obra, a música de Bach para alaúde é escassa. Das sete obras compostas para alaúde, quatro são originais e três são transcrições do próprio compositor.

Agustin Barrios

Agustin Pio Barrios nasceu em San Juan Baptista de las Missiones, Paraguai, no ano de 1885 e faleceu em San Salvador em 1944. Guitarrista virtuoso e inspirado compositor, compôs mais de 300 peças para guitarra em diversos estilos. Profundo conhecedor dos ritmos e motivos folclóricos sul-americanos, usa-os de modo sublime nas suas obras de cariz popular. A sua grande curiosidade intelectual e artística levou-o a estudar e a adaptar obras de compositores como Bach, Beethoven, Chopin ou Schumann, e que influenciaram de maneira clara algumas das suas composições. Barrios foi o primeiro guitarrista a gravar discos comerciais de 78 rpm. Graças a esses discos, muita da sua obra pôde ser transcrita, já que durante a sua vida, nunca a publicou. Fruto da sua generosidade, os seus manuscritos espalharam-se por amigos e discípulos. É um compositor incontornável na história do instrumento.

Joaquin Rodrigo

Nasceu em 1901 na província de Valência. Perdeu a visão aos 3 anos de idade, mas a cegueira tê-lo-á conduzido à música, segundo ele próprio. Compôs cerca de duzentas obras, entre concertos, música para bailado, obras corais e orquestrais, canções, e peças a solo para vários instrumentos. Honrando o legado musical de Espanha, traçou um caminho muito próprio, destilando a tradição da sua noção de modernidade. A sua obra para guitarra é uma afirmação artística da originalidade expressiva do instrumento, que todavia nunca tocou. As “Tres Piezas Españolas” compostas em 1954 e dedicadas a Andrés Segovia, são danças sublimadas de uma Espanha briosa e galante. Rodrigo viveu uma longa vida de 98 anos.

Enrique Granados

Compositor e pianista catalão (Lérida, 1867). Impregnada da estética romântica, de Schumann, Chopin e Grieg, a colorida música de Granados evoca uma Espanha setecentista, elegante e irónica. As suas obras para piano, sobretudo as Danzas Españolas, as Escenas Romanticas e as Goyescas trouxeram-lhe a celebridade. Esta última, foi adaptada para uma ópera do mesmo nome, estreada em New York em 1916. No regresso de Enrique e sua esposa à Europa, o barco Sussex onde viajavam foi torpedeado no canal da Mancha por um submarino alemão, tendo ambos perdido a vida. Cuentos de la Juventud op.1 é uma colecção de pequenas peças destinadas a estudantes de piano, que evocam emoções ou recordações de infância. O seu amigo guitarrista Miguel Llobet, transcreveu esta e muitas outras obras de Granados, contribuindo para a popularidade da sua música no repertório guitarrístico. Valses Poéticos, obra composta em 1887 é um conjunto de valsas contrastantes no seu aspecto emotivo, todas elas de grande elegância. Este arranjo para guitarra foi realizado pelo guitarrista inglês Julian Bream.

Antonio José

Antonio José Martínez Palacios nasceu em Burgos em 1902, filho de modestos artesãos. Aos sete anos inicia a sua educação musical, e aos treze anos já havia composto mais de setenta e cinco peças.Teve como amigos Garcia Lorca e Salvador Dali. As suas obras orquestrais e para piano foram bem sucedidas na época, e foram-lhe atribuídas bolsas estatais para estudar em Paris, com Fauré e Ravel. Este último nutria por Antonio José um especial apreço, considerando-o como o mais promissor compositor espanhol da sua época. Contudo, a sua morte prematura em 1936, diante de um pelotão de fuzilamento franquista, levou ao esquecimento tanto da sua música, como do seu nome.

A Sonata para guitarra (1933), dedicada ao seu amigo guitarrista Regino Sainz de la Maza, permaneceu desconhecida até 1990, ano da sua redescoberta e publicação, e que veio a contribuir para um renovado interesse na sua obra. Considerada uma das das melhores sonatas escritas para a guitarra no século XX, denota uma influência clara de Ravel, sobretudo na Pavana Triste. Apesar de Antonio José ter sido um estudioso do folclore castelhano, esta obra não apresenta quaisquer motivos ou recursos tradicionais, característicos da música espanhola.

Manuel Maria Ponce

Nasceu em Fresnillo, no estado mexicano de Zacatecas, no ano de 1882 e faleceu em 1948 na Cidade do México.

A sua obra divide-se claramente em dois períodos ou estilos. O primeiro período, até meados dos anos 20, reflecte a ligeireza da música de salão, em voga no México nessa época. Descontente com o rumo da sua composição, interrompe o seu cargo de professor no Conservatório Nacional em 1925, então com 43 anos, e ruma a Paris para estudar com Paul Dukas, e reformula toda o seu estilo de composição. Integrando a herança musical do seu país com as técnicas impressionistas e pós-românticas, lança as bases de um novo nacionalismo musical mexicano.

Da amizade do compositor com o guitarrista Andrés Segovia nasceu um repertório importantíssimo para o instrumento. Desta colaboração resultaram seis Sonatas, três Variações, duas Suites, vinte e quatro prelúdios, um concerto e algum repertório de câmara.

Composta em Paris no ano de 1926, Thème varié et Finale foi a primeira peça para guitarra de Ponce a ser editada comercialmente. Intercalando técnicas impressionistas e pós-românticas de um modo virtuosístico, está subtilmente perfumada de harmonias e ritmos do folclore hispânico.

Eduardo Sainz de la Maza

Compositor e guitarrista espanhol (Burgos, 1903-Barcelona, 1982), foi o irmão mais novo de outra figura maior do instrumento, Regino Sainz de la Maza. Foi aluno de Miguel Llobet em Barcelona e durante alguns anos foi concertista, mas cedo abandonou a carreira para se dedicar ao ensino e à composição. Tendo como principais influências o impressionismo de Debussy e Ravel e o jazz, integrou estes estilos à música do seu país. Platero y yo, célebre obra literária de Juan Rámon Jiménez (Nobel 1956), é uma narração lírica sobre a vida e morte do burro Platero, em que Sainz de la Maza se inspirou livremente para os oito andamentos desta Suite homónima.

Eduardo Sainz de la Maza
Compositor e guitarrista espanhol (Burgos, 1903-Barcelona, 1982), foi o irmão mais novo de outra figura maior do instrumento, Regino Sainz de la Maza. Foi aluno de Miguel Llobet em Barcelona e durante alguns anos foi concertista, mas cedo abandonou a carreira para se dedicar ao ensino e à composição. Tendo como principais influências o impressionismo de Debussy e Ravel e o jazz, integrou estes estilos à música do seu país. Platero y yo, célebre obra literária de Juan Rámon Jiménez (Nobel 1956), é uma narração lírica sobre a vida e morte do burro Platero, em que Sainz de la Maza se inspirou livremente para os oito andamentos desta Suite.

Heitor Villa-Lobos

Nascido no Rio de Janeiro em 1887, é considerado o maior vulto da música erudita brasileira. Compositor exuberante e prolífico, soube integrar elementos da música brasileira com a música erudita de raíz europeia, inspirando-se na complexidade cultural e étnica do seu país.

Guitarrista autodidacta, é um autor incontornável do reportório. O Concerto para Guitarra e Pequena Orquestra é como que uma síntese de toda a sua obra para o instrumento, estando recheado de elementos estilísticos e técnicos presentes nos seus Doze Estudos, nos Prelúdios ou na Suite Popular Brasileira. O “guitarrismo” de Villa-Lobos, apesar de pouco ortodoxo, revela o potencial do instrumento, com as suas ressonâncias e timbres subtis.

Escrito em 1951, com o primeiro nome de Fantasia Concertante, foi uma encomenda de Andrés Segovia. A falta de uma cadenza desmotivou Segovia, e só após uma demorada pressão sobre o compositor, este a compôs. Foi estreado em 1956, por Segovia, e dirigido pelo próprio compositor.

Dušan Bogdanović

Nasceu em Belgrado, ex-Jugoslavia em 1955. Estudou composição com Pierre Wissmer e Alberto Ginastera e guitarra com Maria Lívia São Marcos. Actualmente vive em San Francisco .

Compositor imaginativo e exuberante, Bogdanovic é um improvisador e  guitarrista dotado. Das suas viagens por várias linguagens musicais, como o jazz, a música erudita e a étnica, reflecte-se um estilo muito marcado e consistente. Possui uma obra vasta para guitarra, música de câmara, um bailado, para além de vários trabalhos discográficos.

  • “Sem a música, a vida seria um erro” – Nietzche