Ernest Shand (1868-1924) – Songes d’été op.95

Ernest Shand, músico inglês nascido em 1868, foi o primeiro britânico a alcançar notoriedade como guitarrista, no trilho de virtuosos estrangeiros como Giulio Regondi, Leonard Schulz, Felix Horetzky ou Catherina Pelzer. Viveu numa época de declínio da popularidade do instrumento e por isso, não conseguiu viver profissionalmente como guittarista. Ao invés, teve uma muito bem sucedida carreira como cantor e actor de music-hall.
A sua música para guitarra reflecte o gosto da sua época pela melodia sentimental e pungente e é constituída maioritariamente por piéces de genre, valsas, mazurkas ou polkas. Apesar do carácter ligeiro destas peças, foi o primeiro compositor britânico a compor um concerto para guitarra e quarteto de cordas, e autor do mais extenso e consistente método para o instrumento concebido, à época, no seu país (Improved Method for the guitar op.100)

Songes d’Été (Sonhos de Verão) é uma peça que encerra todo o lirismo e o sentimentalismo característicos da música de salão da época. Dividida em duas partes, contrapõe a leveza de uma valsa (quiçá de um baile…), à nostalgia de um Verão que, inexoravelmente, desvanecerá. Tal como os seus amores.

Anúncios

Leonard Schulz – Étude WoO nº2

Leonard Schlulz (Viena, 1813- Londres,1860) – Étude WoO nº 2 (Moderato)

Rui Namora – Guitarra Romântica de 8 cordas (Jan Tuláček), réplica de J.A. Stauffer (1837)

suiTUs de Ricardo Abreu, na Doberman-Yppan

Acaba de ser publicado na editora canadiana Doberman-Yppan, a obra SuiTUs do meu amigo Ricardo Abreu. Nas suas palavras, SuiTUs poderá ser imaginada como um pequeno filme em forma de música.

Obra elegante e exigente, só poderia ter sido escrita por um guitarrista inspirado, metódico e sofisticado como o Ricardo. Dotado de uma sólida e consistente técnica instrumental, consegue articular o processo de composição-improvisação com o fraseio, a ressonância, o ambiente harmónico fluido e sobretudo, a atenção a detalhes expressivos quase filigrânicos.

Enquanto seu colega, tive a sorte de ir ouvindo excertos da obra pelas suas próprias mãos, em momentos descontraídos de conversa com guitarra à mistura. Depois de estreada em 2013, pude-a apreciar finalmente como um todo pelo incontornável e exímio Dejan Ivanovich.

Acompanhei com expectactiva os avanços, pausas e recuos no longo processo de publicação, sobretudo para que, num prazer quase egoísta, a pudesse vir a tocar também, finalmente.

https://www.productionsdoz.com/wp-content/uploads/2018/01/DO1151cover-1.jpg

Partitura disponível para compra aqui

Estreia de SuiTUs, por Dejan Ivanovich

 

 

 

 

 

 

 

 

Franz Schubert – Lob der Tränen

Franz Schubert (1797-1828) – Lob der Tränen D. 711

Arranjo de Johann Kaspar Mertz (1806-1856) – 6 Schubert’sche Lieder, publicada rm Viena por Tobias Haslinger ca.1845.

Rui Namora – guitarra romântica de 8 cordas (Jan Tuláček), réplica J.A. Stauffer (1837)

Leonard Schulz – Étude WoO nº4

Leonard Schlulz (Viena, 1813- Londres,1860) – Étude WoO nº4 (Andante con molto espressione)

Rui Namora –  Guitarra Romântica de 8 cordas (Jan Tuláček), réplica de J.A. Stauffer (1837)


Fernando Sor – Bagatelle op.43 nº 1 (Andantino)

Fernando Sor – Le Calme, Caprice op.50

Fernando Sor (1778-1839)
Le Calme, caprice op.50

Rui Namora, guitar (Foetisch Frères, early XXth century)

 

  • “Sem a música, a vida seria um erro” – Nietzche