Leonard Schulz – L’indispensable op.40

Leonard Schulz (Viena, 1813 – Londres, 1860) é uma figura esquecida e obscura do mundo guitarrístico. Nascido no seio de uma família de músicos, foi um menino-prodígio que, juntamente com o seu pai e irmão, viajou pela Europa em digressão. A fama de virtuoso que obteve em vida como guitarrista, parece não ter sido suficiente para evitar o quase esquecimento da sua obra, fruto da sua vida atribulada, numa época em que o instrumento sofria já de um declínio na popularidade.

L’indispensable op.40, é uma interessante série de exercícios e estudos, publicada em Londres em 1840.

 

Escolhi Schulz e seu op.40 como tema de uma dissertação de mestrado há alguns anos e que vou revisitando com frequência. Os estudos têm propósitos técnicos muito específicos, e são reveladores de uma técnica evoluída, mas nem sempre ortodoxa pelo olhar contemporâneo.

Deixo aqui uma selecção em playlist (1,2,3,4 e 8). Os restantes, em breve...

Rui Namora, guitarra de 8 cordas construída por Jan Tuláček, réplica de J.A. Stauffer (1837)

Festival RURIK 2020 (Suécia)

Entre os dias 12 e 15 de Junho de 2020, a localidade de Mellösa, na Suécia, vai acolher o primeiro festival europeu dedicado à Guitarra Russa de 7 cordas, o RURIK, organizado pelo guitarrista Mårten Falk. Durante esses dias, guitarristas vindos da Rússia, EUA, Noruega, Rússia, Suécia e Portugal  reunir-se-ão para divulgar o instrumento. O festival terá uma forte vertente pedagógica, com palestras, cursos e recitais, e cujo objectivo é a divulgação do repertório do instrumento junto dos (ainda…) guitarristas de 6 cordas que ainda não se converteram.

Há cerca de um ano, movido pela curiosidade e por uma guitarra de 7 cordas talvez cansada da sua afinação, comecei a dedicar-me a este instrumento (ver detalhe aqui). Depois de olhos trocados por teimosas notas em trastes diferentes, e idas ao tradutor da Google para decifrar títulos em cirílico, fui descobrindo algumas das suas idiossincrasias técnicas e estilísticas. Fui incentivado por músicos que admiro e tenho como referência, como o já referido Mårten e pelo Oleg Tymofeyev, que é, sem dúvida, o maior especialista mundial nesta área.

Para minha surpresa fui convidado pelo Mårten para participar neste primeiro festival. Levarei na bagagem alguns compositores russos, bem como transcrições de peças dos Paredes, que retratam bem que as almas russa e portuguesa, apesar de nos extremos da Europa, têm muito em comum.

Polka “Sokolov”

A Polka “Sokolov” é uma peça atribuída a Ivan Trepanovich Sokolov, embora não haja provas de que tenha sido realmente o seu autor. Independentemente da autoria, o seu nome ficou associado a esta música popular. Sokolov, um músico cigano, foi líder de um coro Moscovita no início do séc. XIX.
Tocada num instrumento original de finais do séc XIX, que antes passou pelas mãos do meu amigo Agostinho Tico Rodrigues da Porto Guitarra para lhe minorar algumas pequenas maleitas características da sua vetusta idade.

Arranjo para a guitarra russa de 7 cordas da autoria do (grande) Sergey Orekhov (1935-1998).

Nikolai Alexandrov – Coração (romance russo)

Continuando a descobrir a beleza escondida do riquíssimo repertório da guitarra russa de sete cordas, eis um pequeno romance de Nikolai Ivanovich Alexandrov/Николай Иванович Александров (1818-1885) (1884 no calendário juliano).
Extraído do seu Álbum de Romances Russos, “Coração” (сердце)

Partitura

Alexander Dargomyzhsky – Romance, transcrição de V. Sarenko

Alexander Dargomyzhsky (1813-1869) – Romance “Юноша и дева”(O jovem e a donzela), poema de Pushkin. Transcrito para guitarra russa de sete cordas por Vasily Sarenko (1814-1881)

Partitura – Romance (Dargomyzhsky/Sarenko)

“À un jeune homme, pleurant amèrement,
Une jeune fille se plaint.
Penché sur son épaule
Le jeune homme soudain s’endort.La jeune fille se tait brusquement,
Chérissant son sommeil léger,
Et lui sourit
Versant des larmes silencieuses.”Alexander Pushkin

Marco Aurelio Zani de Ferranti – Exercice op.50 n°10

Marco Aurelio Zani de Ferranti (Bologna, 1801 – Pisa, 1878)
Exercice n° 10, dos 44 Exercices op.50

Publicado por Carli, Paris ca.1828

Rui Namora – Guitarra Romântica de 8 cordas (Jan Tuláček), réplica de J.A. Stauffer (1837)

Franz Schubert – Lob der Tränen

Franz Schubert (1797-1828) – Lob der Tränen D. 711

Arranjo de Johann Kaspar Mertz (1806-1856) – 6 Schubert’sche Lieder, publicada rm Viena por Tobias Haslinger ca.1845.

Rui Namora – guitarra romântica de 8 cordas (Jan Tuláček), réplica J.A. Stauffer (1837)